True Grit ★★★

Mais um filme em que o forte são seus personagens e as atuações que dão vida a eles, característica muito presente nas obras dos irmãos Cohen, e logo somos apresentados a uma protagonista incomum aos filmes do gênero Faroeste. Não se perde tempo com flashbacks ou com coisas desnecessárias, o plot do filme já é estabelecido rapidamente para partirmos na jornada da vingança de nossa protagonista.
Jeff Bridges é de longe o maior destaque do filme, apresentado um personagem bruto e descontraído, trazendo uma simpatia do público com o mesmo, nos fazendo gostar e torcer por ele. Matt Damon e Josh Brolin entregam boas interpretações, mas não possuem muito tempo em tela ou desenvolvimento. Falando nisso, o casting desse filme foi extremamente preciso, todos parecem realmente viver naquele universo, os figurinos também ajudam ainda mais nessa imersão.
A cinematografia do filme é excelente assim como em todos os outros trabalhos desses diretores, dando um aspecto de sujeira decorrente da poeira dos locais, assim como belos planos bem abertos. O roteiro do filme é bem direto e movimentado, não sobra tempo para se entediar e não é rápido o bastante para nos perdermos no que está acontecendo, a duração do filme é perfeita.
Mas essa precisão na história tira um aspecto importante das histórias de vingança, a simpatização com a causa e a luta dos personagens, como a relação da protagonista com seu pai não é em nenhum momento explorada, não sentimos o peso da sua perda e muito menos ficamos desesperados pela vingança. E isso se aplica a todos os outros personagens, que possuem apenas alguns diálogos expondo algum momento de suas vidas, mas nada realmente profundo.
O final do filme também é péssimo e anticlimático, não entendi a necessidade de contratar uma outra atriz apenas para aquele 1 minuto em tela. A protagonista do obra é irritante e desinteressante, mesmo possuindo uma personalidade forte e até mesmo divertida de se ver, a incoerência com sua idade nos faz questionar e pensar o quão irritante suas ações são. O que me faltou nesse filme foi emoção e envolvimento.
True Grit é belamente dirigido e atuado pela maioria de seus atores, mas falha ao estabelecer uma premissa ou personagens pelos quais tememos seu futuro ou nos importamos com suas decisões, algo que deveria ser essencial em filmes de Faroeste. Não foi um desperdício de tempo, mas não foi gravado em minha mente, fica a seu cargo querer assistir ou não.